Associação Catarinense de Preservação da Natureza
Blumenau, 18 de Julho de 2019

NOTÍCIAS

Para conter desmatamento, não basta apenas criar UCs

.: 26 / Jun / 2008

A constatação de que as Unidades de Conservação (UC´s) possuem 19% do desmatamento total amazônico no mês passado não é uma surpresa. Desde o começo do mês, um relatório feito pelo Tribunal de Contas da União (TCU), que avalia a gestão governamental da Amazônia, aponta graves falhas estruturais que impedem que as unidades cumpram fielmente com os objetivos pelos quais foram criadas, ou seja, proteger o meio ambiente da região.

O primeiro entrave destacado é a baixa efetividade que o Ministério do Meio Ambiente (MMA), o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) apresentam enquanto órgãos responsáveis por criar e gerir Unidades de Conservação sustentáveis na Amazônia.

Mário Menezes, diretor-adjunto da Amigos da Terra - Amazônia Brasileira (AdT), entende esse problema como algo que precede a eficiência dos órgão ambientais.  Para ele, trata-se de cuidar da não-priorização da dimensão ambiental no processo de planejamento governamental no mesmo nível de setores econômicos e de infra-estrutura.  "Se não há essa priorização, também não há como os órgãos ambientais estarem preparados para se realizarem bem suas responsabilidades e atribuições.  È só comparar com os órgãos fazendários, por exemplo.  Por que a área fiscal do governo funciona de forma satisfatória?  Porque arrecadar é uma prioridade do governo", diz ele.

De acordo com o relatório, "tal fato decorre do não cumprimento das metas estabelecidas no Plano de Ação para Prevenção e Combate ao Desmatamento na Amazônia Legal (PAPCD), que não criou todas as Ucs planejadas.  Verificou-se, ainda, que é baixo o percentual de unidades de conservação com plano de manejo implementado.  Além disso, nenhuma está com a regularização fundiária concluída e há vários casos de sobreposição de terras de unidades de conservação federais com terras indígenas, com assentamentos da reforma agrária ou com unidades de conservação estaduais ou municipais".

A falta de unidades com seus planos de manejo funcionando mereceu destaque por parte do TCU.  Isso porque esses planos prevêem, dentre outras coisas, a integração da área protegida em questão às atividades econômicas e sociais das comunidades de seu entorno.  Para Menezes, a dificuldade de implementar esses planos de manejo consiste no fato de que "primeiro, é difícil elaborá-los e aprová-los, já que as políticas de governo não priorizam a dimensão ambiental do desenvolvimento, fica só no crescimento econômico a qualquer custo - vide o PAC [Programa de Aceleração do Crescimento].  É por isso que se criam tantas Ucs, porque criá-las é um ato administrativo, que pode não ter conseqüência alguma- e em grande parte dos casos não tem mesmo - já que essas áreas podem não ser implantadas e consolidadas, ficando, de alguma maneira, no mercado de terra da região e do país".

Conforme a Lei 9.985/2002, "Enquanto não aprovado o plano de manejo, são proibidas, nas unidades de conservação, quaisquer alterações, atividades ou modalidades de utilização, em desacordo com os seus objetivos.  Até que o plano seja elaborado, todas as atividades e obras desenvolvidas nas unidades de conservação de proteção integral devem se limitar àquelas destinadas a garantir a integridade dos recursos que a unidade objetiva proteger.  Neste caso, são asseguradas às populações tradicionais, porventura residentes na área, as condições e os meios necessários para a satisfação de suas necessidades materiais, sociais e culturais".

Terra de ninguém - O relatório do TCU constatou que das 31 unidades de conservação existentes nos estados do Acre, Amapá, Amazonas, Rondônia, Roraima e Tocantins, a União detém o domínio e posse das terras em somente 17 delas, algo próximo a 55% do total.  Segundo o documento da auditoria "há, nessas unidades, 306 processos de regularização fundiária pendentes, isto é, são casos de ocupantes que precisam sair das terras.  Não há unidades de conservação com a situação fundiária plenamente regularizada, pois nenhuma está inscrita no cadastro de imóveis rurais do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), além dos vários casos de sobreposição de áreas e de invasão por terceiros.  A principal causa seria o desconhecimento dos procedimentos a serem adotados, bem como a insuficiência de recursos financeiros para pagar as indenizações para que as pessoas saiam das terras".

Para do diretor da AdT, a falta de regularização fundiária atrapalha a gestão das unidades de conservação "na medida em que as áreas de entorno podem ser usadas pela especulação e grilagem, porque a terra não é destinada de forma lícita e legítima é 'terra-de-ninguem'.  Ou seja, a não-implementação do Estado de Direito torna as Ucs também vulneráveis do ponto de vista de sua integridade e desenvolvimento, como qualquer outra área ou atividade lícita".

Menezes explica ainda que essa situação prejudica a cobrança de multas por irregularidades cometidas nas áreas das Ucs, já que a lei não alcança que não está atuando dentro de seus parâmetros.  "Se você é um proprietário de terra na Amazônia você tem endereço certo e conhecido e tem bens que podem ser arrestados para pagamento da multa.  Já eu, grileiro, desmato uma área que é pública e na hora que o órgão ambiental flagra o desmatamento, ele não está me flagrando necessariamente porque não tendo eu título de propriedade.  Assim, o órgão repressor não consegue me pegar, por não saber meu endereço certo.  Daí, eu vou pra outra área fazer o mesmo que fiz na que gerou a autuação e a multa, que nunca vou receber.  No frigir dos ovos, como dizem na minha terra, o ordenamento fundiário é pano de fundo para a maioria das questões socioambientais na Amazônia".

A conclusão a que chegam os auditores do TCU é a de que a União não detém o domínio ou posse das terras públicas inseridas no limite da cada unidade.  "A regularização fundiária é uma questão importante para as unidades de conservação, como preconizado no Plano Amazônia Sustentável (PAS), pelo fato de garantir o zoneamento e a efetiva gestão dessas áreas".

Fonte: Filippo Cecílio/ Amazônia.org.br


OUTRAS NOTÍCIAS

» Ver todas as noticias de Abril/2016
» Ver todas as noticias de Junho/2015
» Ver todas as noticias de Abril/2015
» Ver todas as noticias de Março/2015
» Ver todas as noticias de Janeiro/2015
» Ver todas as noticias de Outubro/2014
» Ver todas as noticias de Julho/2014
» Ver todas as noticias de Junho/2014
» Ver todas as noticias de Maio/2014
» Ver todas as noticias de Abril/2014
» Ver todas as noticias de Março/2014
» Ver todas as noticias de Fevereiro/2014
» Ver todas as noticias de Dezembro/2013
» Ver todas as noticias de Novembro/2013
» Ver todas as noticias de Setembro/2013
» Ver todas as noticias de Agosto/2013
» Ver todas as noticias de Julho/2013
» Ver todas as noticias de Junho/2013
» Ver todas as noticias de Maio/2013
» Ver todas as noticias de Abril/2013
» Ver todas as noticias de Abril/2012
» Ver todas as noticias de Fevereiro/2012
» Ver todas as noticias de Janeiro/2012
» Ver todas as noticias de Junho/2011
» Ver todas as noticias de Maio/2011
» Ver todas as noticias de Abril/2011
» Ver todas as noticias de Março/2011
» Ver todas as noticias de Fevereiro/2011
» Ver todas as noticias de Janeiro/2011
» Ver todas as noticias de Dezembro/2010
» Ver todas as noticias de Novembro/2010
» Ver todas as noticias de Outubro/2010
» Ver todas as noticias de Setembro/2010
» Ver todas as noticias de Agosto/2010
» Ver todas as noticias de Julho/2010
» Ver todas as noticias de Junho/2010
» Ver todas as noticias de Maio/2010
» Ver todas as noticias de Abril/2010
» Ver todas as noticias de Março/2010
» Ver todas as noticias de Fevereiro/2010
» Ver todas as noticias de Janeiro/2010
» Ver todas as noticias de Dezembro/2009
» Ver todas as noticias de Novembro/2009
» Ver todas as noticias de Outubro/2009
» Ver todas as noticias de Setembro/2009
» Ver todas as noticias de Agosto/2009
» Ver todas as noticias de Julho/2009
» Ver todas as noticias de Junho/2009
» Ver todas as noticias de Maio/2009
» Ver todas as noticias de Abril/2009
» Ver todas as noticias de Março/2009
» Ver todas as noticias de Fevereiro/2009
» Ver todas as noticias de Janeiro/2009
» Ver todas as noticias de Dezembro/2008
» Ver todas as noticias de Novembro/2008
» Ver todas as noticias de Outubro/2008
» Ver todas as noticias de Setembro/2008
» Ver todas as noticias de Agosto/2008
» Ver todas as noticias de Julho/2008
» Ver todas as noticias de Junho/2008
» Ver todas as noticias de Maio/2008
» Ver todas as noticias de Abril/2008
» Ver todas as noticias de Março/2008
» Ver todas as noticias de Fevereiro/2008
» Ver todas as noticias de Janeiro/2008
» Ver todas as noticias de Dezembro/2007
» Ver todas as noticias de Novembro/2007
» Ver todas as noticias de Outubro/2007
» Ver todas as noticias de Setembro/2007
» Ver todas as noticias de Agosto/2007
» Ver todas as noticias de Julho/2007
» Ver todas as noticias de Junho/2007
» Ver todas as noticias de Maio/2007
» Ver todas as noticias de Abril/2007
» Ver todas as noticias de Março/2007
» Ver todas as noticias de Fevereiro/2007
» Ver todas as noticias de Janeiro/2007
....................................................................................................................................................
Acaprena - Associação Catarinense de Preservação da Natureza
Rua Antônio da Veiga, 140 - Sala D107 - Victor Konder - Blumenau - SC
Fone: (47) 3321-0434 - E-mail: contato@acaprena.org.br

....................................................................................................................................................