Associação Catarinense de Preservação da Natureza
Blumenau, 24 de Fevereiro de 2020

NOTÍCIAS

G8+5 chega a consenso histórico, mas ainda é pouco

.: 14 / Jul / 2009

Os países do G8 (grupo dos sete mais ricos do planeta mais a Rússia) e do G5 (grupo dos emergentes Brasil, China, Índia, México e África do Sul) estiveram reunidos de 8 a 10 de julho na Itália. Como deter o aquecimento global foi um dos temas do encontro.  

Esta foi a primeira vez que as maiores economias do planeta reconheceram o alerta que os cientistas vêm dando de que é preciso manter o aquecimento global abaixo de 2ºC em relação aos níveis pré-industriais.

Estudos científicos têm apontado que, caso contrário o planeta fique mais quente que 2ºC, poderemos observar conseqüências dramáticas como o colapso do sistema atual de circulação de correntes marítimas dos oceanos e a transformação de boa parte da floresta amazônica em algo parecido com uma savana.

No entanto, somente essa declaração sobre a temperatura do globo não basta para deter o aquecimento global. Os países industrializados, responsáveis pela maior parte dos gases de efeito estufa já emitidos até hoje, precisam se comprometer a reduzir drasticamente essa poluição.

"Infelizmente, os países do G8 falharam ao não se comprometerem agora com a solução da questão. Isso mostra uma clara falta de vontade política para que seja realmente assinado um acordo global de clima justo e eficiente em dezembro deste ano, em Copenhague", afirma Denise Hamú, secretária-geral do WWF-Brasil. 

Os países ricos também não reafirmaram seu compromisso de disponibilizar recursos para que os países em desenvolvimento possam reduzir suas emissões e estabelecer ações de adaptação às mudanças climáticas. Os mais pobres são os que mais vão sofrer com as consequências do aumento de temperatura do planeta.

Em junho deste ano, a Rede WWF, junto com o WWF-Brasil, e outras organizações não governamentais apresentaram uma proposta de tratado para servir de base para as discussões até Copenhague. O texto indica que os países industrializados precisam cortar drasticamente suas emissões de gases de efeito estufa nas próximas décadas.

E, para garantir o que os países em desenvolvimento consigam mudar seu padrão atual para um de baixo carbono (que emita poucos gases de efeito estufa) e enfrentar os impactos causados pelas mudanças climáticas, é necessário que os mais ricos e que poluíram mais até agora façam investimentos da ordem de US$ 160 bilhões anuais.

"Estamos a apenas quatro meses da grande reunião das Nações Unidas sobre clima na Dinamarca e até o momento somente o governo do Reino Unido reconhece a escala de recursos necessários (centenas de bilhões de dólares anuais) para o combate às mudanças climáticas", afirma Kim Carstensen, líder da Iniciativa Global de Mudanças Climáticas da Rede WWF.

"Até Copenhagen é absolutamente crítico que os países desenvolvidos se comprometam com cortes de suas emissões de gases de efeito estufa em 40% até 2020 e a destinar recursos para apoiar os países em desenvolvimento a crescer reduzindo suas próprias emissões e a fazendo ações de adaptação", completa.

Mas é importante ressaltar que o compromisso não deve vir apenas dos países desenvolvidos. O governo brasileiro pode fazer muito mais. "É preciso que as ações nacionais de combate às mudanças climáticas sejam registradas pelo Brasil junto à Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças do Clima, e que o país defina  metas claras e planos de ação para zerar o desmatamento na Amazônia, Mata Atlântica e demais florestas.

Também é necessário fazer investimentos maciços em eficiência energética e energias renováveis não convencionais como eólica, solar térmica e solar fotovoltaica, o que hoje ainda não ocorre", afirma a secretária-geral do WWF-Brasil.

O país vive hoje uma situação de contradição entre discurso e prática na área ambiental. Enquanto o governo anuncia o Plano Nacional de Combate às Mudanças do Clima com metas para redução do desmatamento e aumenta a fiscalização nas florestas, parlamentares fazem movimentos contrários à conservação do meio ambiente. 

Está sendo discutida no Congresso Nacional uma proposta que altera o Código Florestal Brasileiro e permite a diminuição da quantidade de floresta que o proprietário é obrigado a deixar em pé.

"Este tipo de proposta que vem ganhando força política no legislativo está na contramão do que o país tem feito para reduzir suas emissões de efeito estufa e conservar a biodiversidade. Reduzir o rigor das nossas leis ambientais, já tão pouco respeitadas em nosso país, é inaceitável", defende Hamú.

O Brasil é hoje o quarto maior emissor de gases de efeito estufa do mundo. Cerca de 75% desses gases lançados na atmosfera vem da derrubada e queimada de florestas, principalmente da Amazônia.

Fonte: WWF Brasil


OUTRAS NOTÍCIAS

» Ver todas as noticias de Abril/2016
» Ver todas as noticias de Junho/2015
» Ver todas as noticias de Abril/2015
» Ver todas as noticias de Março/2015
» Ver todas as noticias de Janeiro/2015
» Ver todas as noticias de Outubro/2014
» Ver todas as noticias de Julho/2014
» Ver todas as noticias de Junho/2014
» Ver todas as noticias de Maio/2014
» Ver todas as noticias de Abril/2014
» Ver todas as noticias de Março/2014
» Ver todas as noticias de Fevereiro/2014
» Ver todas as noticias de Dezembro/2013
» Ver todas as noticias de Novembro/2013
» Ver todas as noticias de Setembro/2013
» Ver todas as noticias de Agosto/2013
» Ver todas as noticias de Julho/2013
» Ver todas as noticias de Junho/2013
» Ver todas as noticias de Maio/2013
» Ver todas as noticias de Abril/2013
» Ver todas as noticias de Abril/2012
» Ver todas as noticias de Fevereiro/2012
» Ver todas as noticias de Janeiro/2012
» Ver todas as noticias de Junho/2011
» Ver todas as noticias de Maio/2011
» Ver todas as noticias de Abril/2011
» Ver todas as noticias de Março/2011
» Ver todas as noticias de Fevereiro/2011
» Ver todas as noticias de Janeiro/2011
» Ver todas as noticias de Dezembro/2010
» Ver todas as noticias de Novembro/2010
» Ver todas as noticias de Outubro/2010
» Ver todas as noticias de Setembro/2010
» Ver todas as noticias de Agosto/2010
» Ver todas as noticias de Julho/2010
» Ver todas as noticias de Junho/2010
» Ver todas as noticias de Maio/2010
» Ver todas as noticias de Abril/2010
» Ver todas as noticias de Março/2010
» Ver todas as noticias de Fevereiro/2010
» Ver todas as noticias de Janeiro/2010
» Ver todas as noticias de Dezembro/2009
» Ver todas as noticias de Novembro/2009
» Ver todas as noticias de Outubro/2009
» Ver todas as noticias de Setembro/2009
» Ver todas as noticias de Agosto/2009
» Ver todas as noticias de Julho/2009
» Ver todas as noticias de Junho/2009
» Ver todas as noticias de Maio/2009
» Ver todas as noticias de Abril/2009
» Ver todas as noticias de Março/2009
» Ver todas as noticias de Fevereiro/2009
» Ver todas as noticias de Janeiro/2009
» Ver todas as noticias de Dezembro/2008
» Ver todas as noticias de Novembro/2008
» Ver todas as noticias de Outubro/2008
» Ver todas as noticias de Setembro/2008
» Ver todas as noticias de Agosto/2008
» Ver todas as noticias de Julho/2008
» Ver todas as noticias de Junho/2008
» Ver todas as noticias de Maio/2008
» Ver todas as noticias de Abril/2008
» Ver todas as noticias de Março/2008
» Ver todas as noticias de Fevereiro/2008
» Ver todas as noticias de Janeiro/2008
» Ver todas as noticias de Dezembro/2007
» Ver todas as noticias de Novembro/2007
» Ver todas as noticias de Outubro/2007
» Ver todas as noticias de Setembro/2007
» Ver todas as noticias de Agosto/2007
» Ver todas as noticias de Julho/2007
» Ver todas as noticias de Junho/2007
» Ver todas as noticias de Maio/2007
» Ver todas as noticias de Abril/2007
» Ver todas as noticias de Março/2007
» Ver todas as noticias de Fevereiro/2007
» Ver todas as noticias de Janeiro/2007
....................................................................................................................................................
Acaprena - Associação Catarinense de Preservação da Natureza
Rua Antônio da Veiga, 140 - Sala D107 - Victor Konder - Blumenau - SC
Fone: (47) 3321-0434 - E-mail: contato@acaprena.org.br

....................................................................................................................................................