Associação Catarinense de Preservação da Natureza
Blumenau, 21 de Julho de 2019

NOTÍCIAS

CITES quer mais recursos para preservar a vida selvagem

.: 15 / Mar / 2010

A Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies em Risco (CITES, na sigla em inglês) pediu neste sábado (13) mais recursos para preservar a vida selvagem, no início de uma reunião em Doha que examinará o destino de espécies ameaçadas, como o atum vermelho do Mediterrâneo.

Reunida até 25 de março, a conferência da CITES, que regulamenta ou proíbe o comércio de 34.000 espécies da fauna e da flora selvagem desde 1975, estudará 42 propostas de inscrição ou reforço das normas comerciais.

A CITES pretende regulamentar o comércio de espécies selvagens, fonte de recursos para as comunidades locais, sobretudo quando o excesso de exploração ameaça a sobrevivência.

Para executar a missão, a convenção - que dispõe apenas de cinco milhões de dólares por ano - pede agora um aumento significativo do orçamento.

"Sem financiamento adequado, a CITES corre o risco de esquecer espécies muito importantes", afirmou o secretário-geral da convenção, Willem Wijnstekers.

A CITES almeja um aumento de 30% do orçamento.

Em Doha, o destino do atum vermelho, vítima do sucesso mundial do sushi, e cujo comércio movimenta bilhões de dólares, será um dos temas centrais da conferência.

Uma das propostas, apresentada pelo principado de Mônaco, sugere incluir este grande predador marinho no Anexo I da Cites. Se for aprovada, as exportações e importações de atum vermelho (Thunnus thynnus) seriam totalmente proibidas até que se verifique uma recuperação de suas populações.

Estados Unidos e União Europeia (cujos países às margens do Mediterrâneo asseguram a metade da pesca) sustentam sua inserção no Anexo I da Convenção, que proíbe todo e qualquer comércio internacional. A Noruega, da mesma forma, anunciou seu apoio, neste sábado, à proposta monegasca.

Para a CITES, segundo seu secretário-geral, "a espécie cumpre os critérios para inscrição no Anexo I". Esta avaliação, reforçou, foi confirmada pela FAO (Agência das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura) e pelo comitê científico da Comissão Internacional para a Conservação dos Atuns do Atlântico (ICCAT), da qual depende a pesca no Mediterrâneo.

"Não há dúvida de que o atum vermelho está em crise", reforçou Achim Steiner, diretor do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma).

Mas o Japão, que consome 80% dos atuns vermelhos pescados no mundo, quer combater a perspectiva de uma proibição do comércio internacional, argumentando que o atum vermelho não está ameaçado de extinção, mesmo diante do fato de que suas reservas caíram dois terços em menos de meio século. (Fonte: G1)

Fonte: Ambiente Brasil


OUTRAS NOTÍCIAS

» Ver todas as noticias de Abril/2016
» Ver todas as noticias de Junho/2015
» Ver todas as noticias de Abril/2015
» Ver todas as noticias de Março/2015
» Ver todas as noticias de Janeiro/2015
» Ver todas as noticias de Outubro/2014
» Ver todas as noticias de Julho/2014
» Ver todas as noticias de Junho/2014
» Ver todas as noticias de Maio/2014
» Ver todas as noticias de Abril/2014
» Ver todas as noticias de Março/2014
» Ver todas as noticias de Fevereiro/2014
» Ver todas as noticias de Dezembro/2013
» Ver todas as noticias de Novembro/2013
» Ver todas as noticias de Setembro/2013
» Ver todas as noticias de Agosto/2013
» Ver todas as noticias de Julho/2013
» Ver todas as noticias de Junho/2013
» Ver todas as noticias de Maio/2013
» Ver todas as noticias de Abril/2013
» Ver todas as noticias de Abril/2012
» Ver todas as noticias de Fevereiro/2012
» Ver todas as noticias de Janeiro/2012
» Ver todas as noticias de Junho/2011
» Ver todas as noticias de Maio/2011
» Ver todas as noticias de Abril/2011
» Ver todas as noticias de Março/2011
» Ver todas as noticias de Fevereiro/2011
» Ver todas as noticias de Janeiro/2011
» Ver todas as noticias de Dezembro/2010
» Ver todas as noticias de Novembro/2010
» Ver todas as noticias de Outubro/2010
» Ver todas as noticias de Setembro/2010
» Ver todas as noticias de Agosto/2010
» Ver todas as noticias de Julho/2010
» Ver todas as noticias de Junho/2010
» Ver todas as noticias de Maio/2010
» Ver todas as noticias de Abril/2010
» Ver todas as noticias de Março/2010
» Ver todas as noticias de Fevereiro/2010
» Ver todas as noticias de Janeiro/2010
» Ver todas as noticias de Dezembro/2009
» Ver todas as noticias de Novembro/2009
» Ver todas as noticias de Outubro/2009
» Ver todas as noticias de Setembro/2009
» Ver todas as noticias de Agosto/2009
» Ver todas as noticias de Julho/2009
» Ver todas as noticias de Junho/2009
» Ver todas as noticias de Maio/2009
» Ver todas as noticias de Abril/2009
» Ver todas as noticias de Março/2009
» Ver todas as noticias de Fevereiro/2009
» Ver todas as noticias de Janeiro/2009
» Ver todas as noticias de Dezembro/2008
» Ver todas as noticias de Novembro/2008
» Ver todas as noticias de Outubro/2008
» Ver todas as noticias de Setembro/2008
» Ver todas as noticias de Agosto/2008
» Ver todas as noticias de Julho/2008
» Ver todas as noticias de Junho/2008
» Ver todas as noticias de Maio/2008
» Ver todas as noticias de Abril/2008
» Ver todas as noticias de Março/2008
» Ver todas as noticias de Fevereiro/2008
» Ver todas as noticias de Janeiro/2008
» Ver todas as noticias de Dezembro/2007
» Ver todas as noticias de Novembro/2007
» Ver todas as noticias de Outubro/2007
» Ver todas as noticias de Setembro/2007
» Ver todas as noticias de Agosto/2007
» Ver todas as noticias de Julho/2007
» Ver todas as noticias de Junho/2007
» Ver todas as noticias de Maio/2007
» Ver todas as noticias de Abril/2007
» Ver todas as noticias de Março/2007
» Ver todas as noticias de Fevereiro/2007
» Ver todas as noticias de Janeiro/2007
....................................................................................................................................................
Acaprena - Associação Catarinense de Preservação da Natureza
Rua Antônio da Veiga, 140 - Sala D107 - Victor Konder - Blumenau - SC
Fone: (47) 3321-0434 - E-mail: contato@acaprena.org.br

....................................................................................................................................................